segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Canção da Garoa


Em cima do meu telhado,
Pirulin lulin lulin,
Um anjo, todo molhado, Soluça no seu flautim.

O relógio vai bater;
As molas rangem sem fim.

O retrato na parede
Fica olhando para mim.

E chove sem saber por quê...

E tudo foi sempre assim!

Parece que vou sofrer:

Pirulin lulin lulin...

MÁRIO QUINTANA

2 comentários:

  1. Lindo...este poema é sublime e doce.

    ResponderExcluir
  2. Sou admirador da obra do grande Quintana, publico a revista Mirandum com outra escritora de Laguna, Fátima. Veja meu blog Cronica do dia - Http://luizcarlosamorim.blogspot.com
    Abraço do Amorim

    ResponderExcluir